28.12.13

Poluição visual: vai começar tudo de novo?

 
Se a lei apenas beneficiar mobiliários urbanos, tudo bem. Mas quando fala em ampliar o número de outdoors pelas ruas, é para se desconfiar!

O prefeito de Londrina, Alexandre Kireeff (PSD), sancionará na próxima segunda-feira, dia 28, bem às vésperas do Ano Novo, projeto que flexibiliza a Lei Cidade Limpa em Londrina, lei que entrou em vigor em junho de 2010 pelas mãos do prefeito anterior, o cassado Barbosa Neto, e  limpou a paisagem urbana, acabando com a enorme poluição visual da cidade.

Um acordo entre a Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU) e entidades como Associação Comercial e Industrial de Londrina (ACIL) e Associação dos Profissionais de Propaganda (APP), que à época da discussão da lei foram absolutamente contra, flexibilizaram" a lei. À época duras discussões e comentários agressivos foram registrados neste blog, pioneiro nas denúncias da poluição visual e estopim para que a Lei da Cidade Limpa fosse promulgada.  Vamos ver para onde caminhará a publicidade exterior na cidade.

Enquanto a lei permitir a aplicação de publicidade em equipamentos chamados de mobiliário urbano, como pontos de ônibus e táxis, lixeiras, bancos e outros, a "flexiblização" poderá se revelar até benéfica. Mas quando decide reduzir a distância entre outdoors para 90 metros, segundo emenda do vereador Mário Neto Takahashi (PV), é para se ficar com a pulga atrás da orelha. Há um mau cheiro no ar... ou algo de podre neste reino londrinense.

28.9.13

Lago Igapó. Ninguém cogitou nisso?



Fala-se, reclama-se, discute-se. Abraça-se o lago, como se esse simbolismo fosse resolver o problema do assoreamento e comover as autoridades responsáveis. As construtoras que erguem prédios monumentais na Gleba Palhano e deixam a terra escorrer para o lago serão as grandes vilãs? Ou a culpa é da inépcia da prefeitura que há anos abandonou todos os lagos Igapó à própria sorte? Ou será a soma de vários fatrores?
Quem caminha no entorno do Igapó II descobre até esgoto vazando para as águas. A população pouco colabora: pescadores que se arriscam a fisgar peixes contaminados largam os restos e lixos à margem do lago. Vândalos pixam lixeiras e bancos. O assoreamento é tamanho que provavelmente daria para cruzar o lago a pé, de margem a margem, sem molhar os joelhos.
É muito blá-blá-blá e pouca ação.
Aqui vai a colaboração do blog Visual de Londrina: prefeitos de outras localidades falam menos e agem mais. A foto mostra uma draga de corte e sucção em ação para desassorear o Canal do Itajuru, em Cabo Frio. Estava prevista a dragagem de 150 mil metros cúbicos de areia. Uma área gigante  que nossos lagos não têm.Talvez o Igapó necessite de outro tipo de draga – mas isso compete aos engenheiros responsáveis da prefeitura determinarem. Está mais do que na hora de agir, desassoreando e despolundo nossos cartões de visita!

Foto: Arnaldo Villa Nova

17.5.13

Mercado Palhano: erro mercadológico ou malandragem?


Com toda pompa e circunstância, Londrina acompanhou a inauguração em junho de 2011 do “Eco Mercado Palhano” -  que deveria representar “um novo conceito para centros de compras destinados ao varejo de alimentos”, segundo anúncios e divulgação pelos responsáveis.

Com dois pisos, além de estacionamento coberto – e muito caro – o mercado abrigava 40 lojas no primeiro piso e um terraço-deck, com três restaurantes. Elevadores modernos, construção avançada, várias lojas conhecidas principalmente na oferta de alimentos, doces, sorvetes, chopes e petiscos misturavam-se a bancas de frutas e lojas de presentes e utilidades, dando a conotação de um mini-shopping. O espaço tornou-se um dos mais agradáveis da cidade, situado defronte ao Lago Igapó2.

E aí ocorreu o mistério: das 40 lojas abertas na época da inauguração há dois anos no primeiro piso, cerca de 90% fecharam as portas. Da última vez em que lá estive, ainda deu para saborear um gostoso chopp, mas o ambiente com lojas fechadas, as lonas abaixadas, tornou-se tétrico e pouco convidativo.

Há alguns dias publiquei o post “Propaganda, o negócio da alma” nos blogs Bahr-Baridades e Propaganda, prazer em conhecer (links na coluna ao lado) destacando que “hoje são sociólogos, psicólogos, neurolinguistas, estudiosos da mente humana, pesquisadores de mercado, entre outros, que se ocupam com a identificação exata do consumidor ao qual se destina determinado produto. São especialistas que vasculham minuciosamente o perfil, gostos, desejos, idade, sexo, sentimentos ocultos das pessoas… e conseguem, figurativamente, até invadir as suas almas”.

Deduz-se então que os responsáveis pelo Mercado Palhano adotaram dois caminhos possíveis:

1 – Erraram grotescamente na pesquisa de mercado e no atendimento das expectativas dos consumidores, uma situação imperdoável para este tipo de empreendimento no Século XXI, quando existem tantas ferramentas e tanta gente especializada para evitar tal derrocada;

2 – Estão dando um golpe baixo nos lojistas que participaram de boa-fé do empreendimento, havendo uma razão muito forte para expulsá-los de lá – talvez um contrato mais vantajoso com algum mega-empreendedor, um supermercado, uma loja de departamentos.

Como Londrina é uma cidade muito misteriosa em seus meandros, as dúvidas só serão esclarecidas no futuro. Afinal, esta é uma cidade onde obras públicas são iniciadas e não concluídas (como as avenidas Ayrton Senna e Mabio Palhano), reformas de prédios públicos estão paralisadas (Secretaria da Cultura, Teatro Ouro Verde), projetos são pagos sem concretização (como  o ex-futuro Teatro Municipal), há placas indicativas para o inexistente Jardim Botânico que abriga em sua sede luxuosa uma pá de funcionários sem que exerçam qualquer atividade, praças e parques (inclusive uma doada pela colônia japonesa) são abandonados, não há verbas para conservação de prédios históricos (Museu de Arte, Estação Rodoviária) e a cidade mais importante do Norte do Paraná não consegue a duplicação da rodovia que liga Londrina à capital Curitiba – apesar do altíssimo custo dos pedágios e da estatística alarmante reportando acidentes e mortes.

15.5.13

Um passeio pelo Igapó 2

O que restou de um banco. E pichado!
O Lago Igapó 2 é um dos cartões postais de Londrina. Desde que foi criado, passou a ser um dos “points” para atividades físicas, ciclistas, adeptos de caminhadas (aqueles que levam o coração para passear), pescadores, casais de namorados, mamães que passeam com seus nenês e até usuários dos equipamentos instalados pela prefeitura na academia ao ar livre.
Uma lixeira de concreto arremessada na água
Os horários se esticam: desde os primeiros madrugadores até aqueles que só têm o horário noturno utilizam o lago para usufruir destes benefícios.
O problema é que, não se sabe saídos de onde, quem são e por quê o fazem, alguns paspalhos descobriram mais uma atividade para praticarem no lago: o vandalismo.
Vários postes tiveram as luminárias retiradas ou furtadas
Em uma simples volta você se depara com bancos arrebentados, postes depenados ou derrubados (com suas luminárias furtadas), lixo jogado na água (flagramos até uma lixeira de concreto, doação de uma construtora local, arremessada na água – e certamente foi necessária a força de mais de uma pessoa para isso), além da própria inércia da prefeitura, que deixa o lago assoreado pela terra das construções de grandes edifícios que não param de brotar na Gleba Palhano – uma região mais alta de onde infalivelmente escoa a terra junto com as águas de qualquer chuvinha. E quem tem o nariz sensível deve ir para outro local, pois há dias em que a fedentina emanada da água é insuportável. Também as pontes rústicas de madeira construídas na trilha interna estão com o madeiramento solto e tornaram-se um perigo iminente para prováveis quedas dos mais distraídos.
Mas, voltando ao vandalismo, a estas alturas não dá para entender a função da Guarda Civil Metropolitana – afinal não é incumbência deles a vigilância dos prédios e parques públicos? Como é que persiste o vandalismo no lago e em outras regiões de Londrina?


15.4.13

E o nosso Lago Igapó II, prefeito Kireeff?

Sei que são apenas 100 dias de gestão, Prefeito Kireeff, e não há londrinense lúcido que ignore as dificuldades encontradas nesta sua gestão, após as lambanças aprontadas pelos “burgomestres” anteriores.
Entretanto, para as milhares de pessoas que praticam caminhadas, corrida ou circulam de bikes no entorno do Lago Igapó II – que deveria ser o cartão postal de Londrina -, a visão e o olfato tendem a criar certa “antipatia” pelo seu secretariado, ou pelo secretário responsável.
A sujeira se acumula sobre as águas. A cor da água está marrom, principalmente após as chuvas. O assoreamento aumenta dia após dia – basta ver a foto da ave no meio do lago, com as patas fincadas no fundo. A água e os peixes estão contaminados. Provavelmente em alguns trechos não haverá um palmo de altura de água. Nas avenidas do entorno, emaranhados de folhas, galhos e lixo se acumulam nas entradas dos bueiros, o que vem provocando alagamentos pontuais em algumas partes das avenidas. O que imaginar então do estado de entupimento das galerias que deveriam escoar as águas?
Existe um cidadão que faz questão de se manter anônimo; sozinho e às próprias expensas ele já plantara mais de 1.000 mudas de árvores quando o conheci, na época da seca, regando muda por muda para que florescessem. Imagino que hoje já tenham passado de 1.500. E pode-se notar o cuidado com que estas mudas, grande parte delas já crescidas, vêm sendo tratadas por ele: estão protegidas por garrafas pet vazadas, para evitar formigas e até aquelas pessoas voltadas à destruição e ao vandalismo.
Tive a oportunidade de conhecer o lago na época em que foi escavado, antes de ser novamente alagado. Era de uma profundidade bastante grande. Talvez nem desse pé para quem lá quisesse nadar.
Se eu como simples cidadão, pudesse sugerir algumas soluções, já lhe encaminharia a primeira: formar uma “Força Tarefa” (nada a ver com o Gaeco, Polícia Federal, Ministério Público), formada por pessoas preocupadas com a situação do Igapó II e que começassem a atuar oficialmente, em conjugação com a administração da prefeitura. Primeiro, obrigando as construtoras que vêm erguendo arranha-céus na Gleba Palhano a se cotizarem para desassorear  o lago. Afinal, sem sombra de dúvidas, são elas as maiores responsáveis pela terra que desce das suas obras e das avenidas e ruas onde caminhões a carregam para cima e para baixo. O destino final da terra: o fundão do lago.
Há muito a fazer pelo nosso Igapó II. Espero que o lago (junto com os demais que se interligam) faça parte de uma das suas prioridades imediatas, para tomar providências ontem depois do almoço.